Free Porn
xbporn
Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
deneme bonusu
padişahbet
padişahbet
padişahbet
deneme bonusu 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet 1xbet untertitelporno porno 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet 1xbet سایت شرط بندی معتبر 1xbet وان ایکس بت pov leccata di figa
best porn 2025
homemade porn 2026
mi masturbo guardando una ragazza
estimare cost apartament precisă online
blonde babe fucked - bigassmonster

OBSERVAR O SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: POR QUÊ?

Fachada do Superior Tribunal de Justiça

A chegada de um novo portal destinado à divulgação de textos jurídicos e à promoção do debate franco de ideias é motivo de júbilo. Sob essa forte marca de abertura ao diálogo, o Contraditor estreia em grande estilo com um time de colunistas dispostos a oferecer reflexões importantes sobre o direito.

Dentre as várias colunas desse portal, o “Observatório Processual do STJ” terá a missão de provocar discussões sobre o papel do Superior Tribunal de Justiça na estrutura do Poder Judiciário brasileiro, dando especial enfoque aos impactos das decisões do tribunal no direito processual civil.

A coluna nasceu a partir de um grupo de pesquisa de mesmo nome coordenado por mim no curso de Direito da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), que conta com a participação de professores do Departamento de Direito Processual, assim como de estudantes da graduação e da pós-graduação, advogados e egressos do curso.

Trata-se de um grupo múltiplo que há quase dois anos vem promovendo debates e produzindo textos sobre as decisões do STJ no âmbito do processo civil.

E por que observar o STJ?

O CPC/2015 reforçou o poder dos tribunais superiores, concedendo-lhes a possibilidade de produzir decisões vinculantes, notadamente, no art. 927, ao prever o dever de observância dos acórdãos proferidos no julgamento dos recursos repetitivos, assim como dos enunciados de súmula, ainda que não sejam os vinculantes.

A iniciativa legislativa não passa incólume às justas críticas da doutrina, pois não se pode cogitar de efeito vinculante de provimentos judiciais fora daquelas hipóteses em que a própria Constituição disso tratou.

Mas, apesar das críticas, parece ter-se formado no senso comum daqueles que operacionalizam o sistema jurídico a ideia de que os provimentos listados no art. 927 do CPC têm efeito vinculante. E dificilmente os tribunais superiores vão dizer o contrário, pois isso implicaria em diminuição dos seus próprios poderes.

E desse caldo cultural é que exsurge a necessidade de acompanhar o desenvolvimento da jurisprudência e a atuação do STJ na interpretação da lei processual. Quanto mais poder um órgão jurisdicional adquire ou conquista, maior é o dever da comunidade jurídica de fiscalizar o exercício desse poder, de modo que a instituição seja constrangida e que as suas decisões sejam estudadas e, sempre que for necessário, criticadas.

Há que se questionar se ao STJ é dado o poder de firmar teses sobre o direito infraconstitucional. A Constituição Federal, em seu art. 105, disciplina sobre a competência do tribunal e esta pode ser dividida de três formas: competência originária (inc. I), competência recursal ordinária (inc. II) e competência recursal extraordinária (inc. III).

A discussão sobre o poder de firmar teses é baseada no terceiro tipo de competência, a recursal extraordinária, quando a Constituição disciplina sobre o recurso especial e suas hipóteses de cabimento.

Cabe ao STJ, nos termos da letra constitucional, em recurso especial, julgar determinadas causas. Ao estabelecer dessa forma, o legislador constitucional impôs ao tribunal um limite bastante preciso: a construção da decisão, em sede de recurso de natureza extraordinária, deve partir da análise do caso concreto e serve para resolver aquele caso concreto específico.

Embora se possa intuir que pela sua posição na estrutura do Poder Judiciário o STJ, ao julgar um caso, estabelecerá balizas para outros julgamentos por outros órgãos jurisdicionais, não se pode olvidar que a sua função primeira é a de julgar a causa e não construir uma tese.

A tese é consequência do julgamento da causa. Tese sem causa é puro exercício arbitrário do poder jurisdicional, pois a razão de ser do Poder Judiciário é a entrega da prestação jurisdicional para as partes envolvidas naquele caso que lhe foi levado à apreciação. E essa temática será melhor aprofundada no próximo texto dessa coluna.

O fato é que a autoridade de uma decisão do STJ não deveria decorrer de uma previsão legal que a estabelecesse como vinculante e, sim, da qualidade que dela emanasse.

À medida em que o tribunal constrói democraticamente a decisão, levando em consideração as particularidades da causa e o trabalho desenvolvido pelas partes e magistrados até a fase do recurso especial e, como decorrência disso, fundamenta analiticamente o seu julgado, dando ao caso uma solução adequada, a sua decisão adquire respeitabilidade e torna-se naturalmente um paradigma a ser seguido.

Aliado a isso, a força paradigmática das decisões do STJ há de decorrer da observância da coerência e da integridade da sua própria jurisprudência. Nesse sentido, as viradas jurisprudenciais prejudicam sobremaneira a autoridade das decisões do tribunal.

Cai em descrédito o tribunal quando ele próprio não garante a institucionalidade, ou seja, quando ele estimula, pelo exemplo, a tomada de decisões conforme a consciência que, invariavelmente, implicam em desobediência à própria lei.

Se é do STJ a função de dar a última palavra sobre a interpretação da lei infraconstitucional, o primeiro limite que ele deve compreender é o da legalidade.

Se é do interesse do STJ que as suas decisões sejam consideradas como paradigmas, deve o tribunal institucionalizar a autocontenção na interpretação do texto legal, reconhecendo que não pode atribuir a ele sentidos de forma livre. O texto da lei não está a serviço do tribunal e, sim, o tribunal é o servo da lei, é limitado por ela.

E é a partir desse ponto de vista que neste espaço de debate se buscará observar os movimentos do STJ na interpretação das normas processuais civis e os impactos disso no direito.

Sejam todos bem-vindos ao Contraditor e ao Observatório Processual do STJ!

Autor

  • Professor do Departamento de Direito Processual da UEPG; Coordenador do grupo de pesquisa Observatório Processual do STJ na UEPG; Doutorando em Direito pela UFPR; Mestre em Ciência Jurídica pela UENP; Autor dos Comentários ao Código de Processo Civil pela Editora Juruá; Advogado.

Newsletter

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Digite seu nome aqui

Posts Relacionados

Últimos Posts